Meu dia em Pádua

Informações Práticas:

Hospedagem: Hotel Il Ghiro – Via Luigi Negrelli, 21. No post Minhas hospedagens na Itália, comentei sobre todos os hotéis que fiquei no país, com informações e dicas.

Quanto gastei no dia? 91,65 Euros (30 Euros com a diária do Hotel – diária de 60 Euros, dividida por dois viajantes; 18 Euros com as passagens de ida e volta de trem, compradas antecipadamente; 16 Euros com as atrações turísticas; 27,65 Euros na cidade, com refeições, lembranças, etc)

Nota turística (de 0 a 10):  8 😉

Para saber sobre a cidade, veja o meu post: Informações e atrações de Pádua

O clima em Verona estava fantástico e foi um dos motivos para eu acordar cedo. Meu trem para Pádua partiria às 07h59, pontualidade italiana. Em menos de uma hora, cheguei na cidade. Na própria estação há um ponto de informações turísticas. Foi um dos poucos que encontrei aberto durante a minha viagem pela Itália. Muitos possuem horários de atendimento diferenciado, iniciando as atividades às 10h ou sem expediente pela manhã. Se eu fosse depender desses pontos turísticos para algo como muitos turistas fazem, ocasionaria um atraso gigantesco em meu roteiro. Devido a esses contratempos, é muito importante possuir um roteiro planejado e um mapa da cidade, facilmente encontrado na internet.

No ponto turístico, fui atendido por uma moça extremamente simpática, algo raro nesses locais. Ele me deu um mapa e explicou com detalhes como chegar à famosa Cappella degli Scrovegni. Aproveitei e comprei o Padova Card, cartão turístico da cidade que oferece muitos descontos nas atrações turísticas.

Cappella degli Scrovegni

Cappella degli Scrovegni

Alguns minutos depois eu estava em frente à Capella. Os turistas são conduzidos para uma sala de vidro para esfriar o corpo e descontaminação durante quinze minutos. Durante esse período, você pode assistir um vídeo institucional sobre a Capella e Giotto. A Capella, também conhecida como Capela Arena, é famosa pelos afrescos de Giotto, sendo considerada uma das mais importantes obras-primas da arte ocidental.

As belíssimas pinturas estão muito bem conservadas e o cuidado das pessoas em relação à preservação é elogiável. Lembre-se: a visita dura quinze minutos e o ingresso é com hora marcada. Nem preciso mencionar que tirar fotos é proibido e, como aconteceu no meu grupo, se você tentar tirar uma, vai escutar um sonoro: NO PHOTO!

1280px-Scrovegni

O interior da Capella degli Scrovegni. Foto: Wikipédia

Saindo da Capella, segui pelas ruas da cidade. Pádua não chega a ser uma metrópole como Milão, mas também não é uma cidade pequena. As ruas são tranquilas e o mais importante: não encontrei muitos turistas. Pela primeira vez escutei as pessoas conversando somente em italiano, sem inglês ou qualquer outro idioma.

Em pouco tempo cheguei ao Pratto della Valle, uma praça elíptica de 90,000 metros quadrados. Ela possui uma ilha verde no centro, circundada por um pequeno canal delimitado por dois anéis de estátuas. Na praça, há diversos prédios e monumentos histórico, como a Basílica de Santa Giustina.

prato_della_valle1

Pratto della Valle, vista do alto. Foto: http://www.padovatravel.it

Seguindo o roteiro, a próxima parada era a Basílica de Santo Antonio de Pádua. Sendo a maior igreja da cidade, a Basílica recebe peregrinos do mundo todo. A construção iniciou sete anos após a morte de Santo Antônio de Pádua, entre 1238 e 1310,  e possui influências românica, gótica e bizantina. O interior possui afrescos e outras pinturas, estátuas e relevos em mármore em toda sua extensão. Os restos mortais de Santo Antônio estão na Cappella della Madonna Mora. Não é permitido tirar fotos no interior da igreja.

Basílica de Santo Antonio de Pádua

Basílica de Santo Antonio de Pádua

Próximo da hora de almoçar, sair da igreja e encontrei um local fantástico: o Brek Focacceria. Os pratos são maravilhosos e muito barato. Pedi um prato, com salada e mussarela de búfala que foi uma das minhas melhores refeições na Itália. Uma delícia, ainda mais pelo valor gasto (na época, o valor foi de 7,90 euros).

8

Após um descanso merecido, fui conhecer o famoso Caffe Pedrocchi, ponto de encontro de várias personalidades, artistas e estudantes da cidade, o Café localiza-se em um edifício luxuoso no centro da cidade. Fundado em 1831, foi cenário da revolta estudantil contra os austríacos, em 1848. Como os preços eram muito altos, resolvi não consumir nada no local.

Caffe Pedrocchi

Caffe Pedrocchi

Continuando, conheci o Palazzo della Ragione (Palácio da Razão), antiga sede do governo e tribunais da cidade. Atualmente o palácio é um grande espaço, como um salão de festas vazio, com uma gigantesca escultura de cavalo, cópia do monumento renascentista a Gattamelata, de Donatello. Já aproveitei para ir na Piazza della Erbe e a Piazza della Frutta, que são divididas pelo palácio.

O interior do Palazzo della Ragione

O interior do Palazzo della Ragione

Para terminar o roteiro do dia, visitei o Duomo da cidade e o Batistério. O Duomo – a igreja principal da cidade– foi construído em 1552 e parte do projeto foi de Michelangelo. Ao lado direito, encontra-se o Batistério. O interior é ricamente decorado com afrescos de Giusto de Menabuoi e é fantástico. Não deixe de entrar!

O teto do Batistério

O teto do Batistério

Segui para fora do centro da cidade e encontrei ruas totalmente arborizadas e totalmente desertas. Foi interessante ver a mudança de estrutura. De repente, ninguém ao seu lado, nenhuma construção imponente e você começa a dar um valor imenso a tudo o que se pode sentir em uma viagem…

As janelas floridas de Pádua

As janelas floridas de Pádua

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s