Meu terceiro dia em Roma

Informações Práticas:

Hospedagem: Maison Vaticana – Via Ottaviano, 42 | 00192, Roma. No post Minhas hospedagens na Itália, comentei sobre todos os hotéis que fiquei no país, com informações e dicas.

Quanto gastei no dia? 71,50 Euros (32,50 Euros com a diária do Hotel – diária de 65 Euros, dividida por dois viajantes; 19 Euros com as atrações turísticas; 20 Euros na cidade, com refeições, lembranças, etc)

Nota turística (de 0 a 10): 10 😉

Para saber sobre a cidade: Veja os posts da categoria ROMA

Roteiro do dia: Clique AQUI para ver o mapa no Google do meu roteiro do dia!

Roma é uma cidade fantástica! Era o meu terceiro dia na cidade e o meu entusiasmo não diminuía. Um conselho: em seu roteiro, deixe o máximo de dias que conseguir para Roma. A cidade possui milhares de atrações fantásticas para conhecer e apreciar e, acredite, quanto mais você ver, mais vai querer ficar!

O dia de hoje era muito aguardado: minha atração principal do roteiro era o Vaticano e seus deslumbrantes museus (veja o post Atrações de Roma – Vaticano). O horário marcado para minha visita era às 9h (veja como comprar o seu ingresso para os museus no link mencionado acima e não enfrentar as gigantescas filas).

Entrada para os Museus do Vaticano

Entrada para os Museus do Vaticano

Dica: Não deixe para comprar o ingresso para os museus do Vaticano na hora. Com o voucher da compra do ingresso pela internet (eles enviam por email), você chega alguns minutos antes, passa na bilheteria e troca seu ingresso. Simples e sem longa espera.

Ao chegar na entrada dos museus, encontrei um segurança e perguntei como era o procedimento para quem comprou o ingresso pela internet: “aguarde e volte dez minutos antes do horário marcado”. Sinceramente, fiquei com pena dos guardas. Eram tantos grupos com centenas de pessoas que parecia um grande estádio de futebol. E para deixar tudo organizado, não é uma tarefa fácil. Sem mencionar a imensa falta de educação de vários turistas. Entendi perfeitamente o mau humor dos guardas…

Pátio dos Museus

Pátio dos Museus

Pátio dos Museus

Pátio dos Museus

Sinceramente, é impossível descrever a beleza do complexo. Seriam necessárias dezenas de palavras e, mesmo assim, não seriam suficientes. Há lugares impressionantes, como o Pátio Octogonal, onde está a deslumbrante estátua de Laocoonte. A Sala dos Mapas, com o seu indescritível teto dourado, parece um corredor para o céu. Infelizmente, quase nenhum dos visitantes prestavam atenção nos maravilhosos detalhes. Todos corriam desesperadamente para a maior atração dos museus: a idolatrada Capela Sistina.

3

Estátua de Laocoonte

Dica: A ansiedade das pessoas para ver a Capela Sistina é imensa. Devido a isso, elas esquecem do resto e rumam em direção em direção ao seu destino. Há, por exemplo, uma coleção fantástica de quadros, com obras de Salvador Dalí. A Sistina é maravilhosa?! Sim, ela é! Mas, e o resto? Até onde eu sei, a Capela não vai sair do lugar. Então, um conselho: calma! Aproveite todas as relíquias e preciosidades do local. E mais um conselho: paciência! É um empurra-empurra desesperador, com várias pessoas pisando no seu pé e sendo indelicadas.

O deslumbrante teto

O deslumbrante teto

Para ver a Capela, não se preocupe com o tamanho dos museus… É só seguir o fluxo ou as diversas placas: “Todos os caminhos levam à Sistina”. Após admirar o Davi (escultura de Michelangelo que está na Galeria dell’Academia, em Florença), eu já  considerada o artista como “divino”. Ao ver a Capela, ratifiquei minha conclusão. É completamente fascinante! Todos os presente na sala olham para cima, de boca aberta, admirando a grande obra do artista, com olhos arregalados. As dimensões, os ângulos, as cores, etc, são magníficas!

Os guardas não paravam de gritar: “No photo, please! Silence!” Se eles são grosseiros? Sim, são… e muito. Então, não espere delicadeza ou educação britânica. Aliás, entendo o lado deles. Passar o dia controlando aquela multidão de pessoas não deve ser uma tarefa muito agradável. E vamos ser honestos: muitos deixam a educação e a elegância em casa quando viajam.

456px-Rome_Sistine_Chapel_01

“O Juízo Final” – Foto Wikipédia

Lightmatter_Sistine_Chapel_ceiling

Vista do teto da Capela Sistina – Foto Wikipédia

Entrar na Sistina é um problema. Sair é outro. A Capela é o ponto final do complexo. Depois dela, é melhor você sair, para o bem da sua integridade física. Como em qualquer grande museu, antes da saída há a disputada loja de souvenirs. Saindo da loja, você encontrará as icônicas escadas em espiral, informando que sua visita está chegando ao fim.

A famosa escada em espiral

A famosa escada em espiral

Ao sair, fui em direção à Praça São Pedro. O céu estava muito azul, com o sol iluminando a Basílica. Um bom momento para tirar fotos para recordação. Infelizmente não entrei na Basílica, o que deixei para fazer no dia seguinte. A fila era gigantesca e eu não estava muito disposto a ficar embaixo daquele sol escaldante. Próximo à Basílica, há dezenas de restaurantes com preços muito bons em comparação ao padrão de Roma. Almocei em um local onde o prato era servido com quatro opções e – finalmente – com arroz!

Durante toda a tarde, fiz um programa que todos os turistas adoram: compras! Até algumas lojas, que parecem as lojas de R$ 1,99 brasileiras, foram alvo da minha peregrinação. Terços, rosários, amuletos, chaveiros, etc, todos com a bênção do Papa. Todo o dinheiro que sobrou dos outros dias da minha viagem foi gasto em Roma. Era a época do “Saldi” (promoções) e fiz bom uso do meu dinheiro na famosa Via del Corso, no centro da cidade. Comprei ótimas camisas sociais por 20 euros cada uma. Em uma loja, comprei uma jaqueta fantástica (no Brasil não sairia por menos de R$ 700,00) por 23 euros. Quase enlouqueci com tantas opções e preços convidativos.

Antes do jantar, passei no hotel e deixe as oito sacolas com as compras, tomei um banho e fui para o bairro Trastevere. Bares, boates, ruas que parecem um labirinto, fazem do bairro um local único, cheio de vida, agitação e um clima completamente italiano. Encontrei um bar brasileiro, o Bumbum di Mel (Via del Moro, 17, 00153 Trastevere), onde brasileiros atendem e fazem os famosos drinques conhecidos em nosso país, como a deliciosa caipirinha e um suculento sanduíche. Depois de muito tempo viajando, renovei as energias matando um pouquinho a saudade do Brasil!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s